GRAUS DOS ADJETIVOS NA LÍNGUA LATINA

LIÇÃO VIRTUAL N. 16

16. GRAUS DOS ADJETIVOS NA LÍNGUA LATINA

Os adjetivos em latim admitem três graus: o normal, o comparativo e o superlativo, da mesma forma como se usa na língua portuguesa. A diferença está no seguinte fato: em português, ao mudar de grau, o adjetivo em geral não muda de forma, recebendo apenas algumas palavras complementares.

Exemplos dos graus dos adjetivos:

Grau normal: O filósofo é sábio.

Grau comparativo: O filósofo é mais sábio do que o agricultor.

Grau superlativo: O filósofo é o mais sábio de todos os homens.

Conforme se observa, o adjetivo ‘sábio’ não sofreu nenhuma alteração mórfica, recebendo o acréscimo do advérbio ‘mais’ para indicar a mudança de grau. Em latim, porém, o próprio adjetivo sofrerá modificações.

FORMAÇÃO DO GRAU COMPARATIVO EM LATIM

A passagem dos adjetivos para o grau comparativo em latim se faz com o acréscimo do sufixo ‘IOR’ para o marculino e feminino, e ‘IUS” para o neutro. O procedimento para adicionar este sufixo é o mesmo adotado para mudança das desinências nas declinações dos diversos casos, conforme já foi explicado anteriormente, ou seja, encontra-se o radical da palavra no genitivo singular e acrescenta-se a terminação ‘ior’ ou ‘ius’, de acordo com o caso.

Exemplos:

O adjetivo ‘pulcher, pulchra, pulchrum’ (belo, bela) segue a segunda declinação (pulcher, pulchri).

No caso do grau comparativo (mais belo, mais bela), torna-se ‘pulchrior’ (masculino e feminino) e ‘pulchrius’ (neutro).

O adjetivo ‘jucundus, a, um’ (alegre) segue a segunda declinação (jucundus, jucundi).

Para formar o grau comparativo (mais alegre) transforma-se em ‘jucundior’.

O adjetivo ‘sapiens’ (sábio, sábia) segue a terceira declinação (sapiens, sapientis).

Na formação do grau comparativo fica ‘sapientior’ (mais sábio).

FORMAÇÃO DO GRAU SUPERLATIVO EM LATIM

Os adjetivos são lançados no grau superlativo com o acréscimo da terminação ‘issimus, issima, issimum’, para o masculino, feminino e neutro, respectivamente. Em português, admitem-se duas modalidades do grau superlativo: o sintético (felicíssimo) e analítico (o mais feliz); porém, em latim, os adjetivos no grau superlativo têm sempre a forma sintética.

Exemplos:

Gravis – gravissimus, gravissima, gravissimum (masculino, feminino e neutro).

Jucundus – jucundissimus, jucundissima, jucundissimum.

Sapiens – sapientissimus, sapientissima, sapientissimum.

Outros exemplos de graus comparativo e superlativo:

Velox, velocis (veloz) – velocior (comparativo) – velocissimus (superlativo).

Celeber, celebris (célebre, famoso) – celebrior (comparativo) – celebrissimus (superlativo).

Nobilis, nobilis (nobre) – nobilior (comparativo) – nobilissimus (superlativo).

Felix, felicis (feliz) – felicior (comparativo) – felicissimus (superlativo)

Sanctus, sancti (santo) – sanctior (comparativo) – sanctissimus (superlativo).

CASOS ESPECIAIS

1 – Os adjetivos terminados em ‘er? no masculino, adotam a terminação ‘errimus’ em vez de ‘issimus’ no superlativo.

Exemplos:

Pulcher – pulchrior (comparativo) – pulcherrimus (superlativo).

Niger – nigrior (comparativo) – nigerrimus (superlativo).

2. Alguns adjetivos terminados em ‘ilis’ fazem o superlativo com ‘limus’.

Exemplos:

Facilis, facilis (fácil) – facilior (comparativo) – facillimus (superlativo). OBS: dobra a letra ‘L’.

Humilis, humilis (humilde) – humilior (comparativo) – humillimus (superlativo).

3. Alguns adjetivos têm formação irregular dos graus comparativo e superlativo, tal qual em português.

Exemplos:

Bonus (bom) – melior (melhor) – optimus (ótimo).

Malus (mau) – pejor (pior) – pessimus (péssimo).

Magnus (grande) – major (maior) – maximus (máximo).

Parvus (pequeno) – minor (menor) – minimus (mínimo).

4. O latim é um idioma pródigo em exceções, isto ocorre também na formação dos graus dos adjetivos. Portanto, além dos casos especiais citados, há ainda diversos outros que podem ser encontrados nas boas gramáticas e que deixam de ser mencionados aqui em virtude da própria natureza elementar destes apontamentos.

APLICAÇÃO PRÁTICA DOS GRAUS DOS ADJETIVOS NA CONSTRUÇÃO DE FRASES

1a. situação: comparação entre duas pessoas. Neste caso, usa-se a conjunção comparativa ‘quam’, colocando-se a segunda palavra no mesmo caso da primeira.

Exemplos:

Pedro é mais sábio do que o irmão. – Petrus est sapientior quam frater.

O filho é mais rico do que o pai. – Filius est divitior quam pater.

2a. situação: comparação entre duas qualidades. Neste caso, usa também a conjunção ‘quam’ e a segunda qualidade também fica no comparativo.

Exemplo:

Pedro é mais sábio do que rico. – Petrus est sapientior quam divitior.

3a. situação: superlativo relativo. Quando o superlativo também se refere a outras pessoas ou qualidades, o segundo termo pode ir para o genitivo ou para o ablativo com ‘ex’ ou para o acusativo com ‘inter’.

Exemplo:

Francisco é o mais humilde dos homens. A tradução pode ser:

Franciscus est humillimus hominum. (hominum – genitivo plural de homo, hominis).

Franciscus est humillimus ex hominibus. (hominibus – ablativo plural de homo, hominis).

Franciscus est humillimus inter homines. (homines – acusativo plural de homo, hominis).

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s